Arquivo mensal: February 2014

Cidade esmeralda – Seattle

DSC02213    A primeira cidade que visitei, na minha viagem do final do ano, foi Seattle. Uma região dos Estados Unidos que ainda não conhecia e aparentemente isolada de tudo. Logo que cheguei, percebi que dois dias seriam insuficientes para conhecer o local. A cidade, mais populosa do estado de Washington, é extremamente dinâmica, repleta de atrações e famosa no meio corporativo por abrigar empresas como Boeing, Microsoft, Amazon e Starbucks.  Além disso, é o berço de muitas bandas “grunges” conhecidas, como: Nirvana, Pearl Jam, Soundgarden e do guitarrista Jimmy Hendrix. Está situada entre parques naturais e cadeias rochosas e, por conta de sua vegetação exuberante e sempre florida, é conhecida como Esmerald City – “a cidade esmeralda”. Seu skyline é formado por prédios modernos e arranha-céus, mas é a torre Space Needle (agulha espacial) que se destaca dentre as demais. A torre foi construída em 1962 e possui 184 metros de altura. Considerada a principal atração turística de Seattle, oferece ao visitante uma vista panorâmica de toda a cidade. Para chegar ao observatório, no topo, o viajante precisa desembolsar a quantia US$ 21,00, em média. Por isso, sugiro aos que desejarem conhecer outras atrações em Seattle adquirir o City Pass, pois possui um ótimo custo beneficio. São seis atrações por US$ 74,00 e na primeira parada, já pode retirar o talão com os demais ingressos.

DSC02182

    No mesmo parque, do Space Needle, está o Experience Music Project – EMP Museum. Um museu, sem fins lucrativos, voltado à cultura popular contemporânea. O prédio, projetado pelo arquiteto Frank O. Gehry impressiona pelo formato e modernidade. São diversas exposições que movimentam o local, tais como: Nirvana Taking Punk to the Masses e Hear my train a comin’: Hendrix Hits London. Outra ótima opção de passeio é o Pacific Science Center, conjunto de prédios com excelentes exposições científicas. No local há também um planetário, dois cinemas IMAX e um viveiro de borboletas tropicais. Com certeza irá agradar as crianças!

    O principal centro gastronômico em Seattle é Pike Place Market. O local é considerado um dos mais antigos e tradicionais mercados públicos dos Estados Unidos. Em seu interior, mais de 200 expositores comercializam uma grande variedade de produtos. Foi lá que nasceu a primeira loja da rede Starbucks e o lugar mantém a fachada original até hoje. Algo que chama a atenção de quem passa é o “Fishing Tossing” – uma antiga tradição dos peixeiros realizada no momento final de uma venda. Eles cantam e literalmente arremessam os peixes entre as barracas. Um espetáculo muito divertido de assistir. Próximo ao mercado, está o centro com diversas lojas ao redor. Na Pine St, o viajante encontrará lojas como Nordstrom, Macy´sZara e o shopping Westlake Center. Há também ótimas opções para compras de luxo na região, são elas Hermès, Louis Vuitton, Gucci entre outras.

DSC02186 DSC02188 DSC02194 DSC02197 DSC02198

     Outro local interessante para conhecer é o University District. Ao norte de Seattle, o bairro fica em torno da universidade de Washington e é uma mistura de áreas comerciais, urbanas e casas históricas. O local possui ótimas opções de cafés, pubs e bares com um toque jovial e descontraído. Minha dica é conhecer o University Village, um complexo a céu aberto com diversas lojas e restaurantes. La você encontrará Apple Store, Victoria’s Secret, Neiman Marcus, Crate & Barrel, Pandora, Gap entre outras.

DSC02225 DSC02227 DSC02228

PS. Bon Voyage!

Cidadão do mundo – Lissa Lourenço

    Lissa

    A primeira cidadã do mundo é uma amiga muito especial. Digamos que ela é a personificação do termo pois, desde quando a conheço, já morou em três países diferentes. Sua primeira experiência foi em Paris aos 19 anos. Passou uma temporada de três meses na cidade para aprender a língua local. No ano de 2013, iniciou um mestrado em Londres e o finalizou em Paris. Agora está de malas prontas para morar em Amsterdã e conhecer uma nova cultura. Convidei-a para compartilhar suas experiências como moradora de Paris e, para nossa alegria, ela topou na hora. Fiquei muito feliz com suas dicas e estou animada para incluí-las na minha próxima viagem a Paris.

    Em Paris, sua residência ficava na zona 11. Uma área etnicamente diversa da cidade que abriga monumentos como a Place de la Bastille e a majestosa Opera house. Longe dessas atrações há um bairro pouco turístico que, segundo ela, “é uma ótima opção para fugir do roteiro básico. Quem for explorar a área vai encontrar uma região com típicos cafés parisienses, bem charmosos e não tão caros como em outros lugares”. Um dos locais mais procurados no bairro é o Septime. O restaurante está entre os melhores do mundo e conseguir uma mesa não é uma tarefa fácil. Suas reservas já estão fechadas para o próximo mês e, para dificultar, não abre aos sábados à noite. Seguindo o estilo de preço fixo, isso quer dizer não tem cardápio, o chefe prepara com louvor o destaque da noite. Outra preciosidade do bairro é o restaurante vietnamita Paris Hanoi. Segunda a Lissa, ” Vale a pena encarar a fila e provar deliciosos pratos da culinária oriental“.

IMG_3713

    Perguntei como eram os seus finais de semana em Paris. Ela disse que costumava eleger uma região para explorar, “ pesquisava antes e ia visitar os museus, parques e as ruas da região”. Adorei a dica que ela deu para hora do almoço,” tenho um livro chamado “where chefs eat” (falei sobre ele no instagram, @ps_bonvoyage – segue lá!) e é fantástico. No livro, os chefs comentam onde costumam comer sem ser em seus próprios restaurantes. Sempre utilizo suas indicações e nunca me decepcionaram”. Outra dica da Lissa é comer um falafel na Rue des Rosiers (métro Saint Paul), distrito de Marais. Segundo ela “São diversos na rua, mas o falafel do L’As du Falafel é especial. É um ótimo programa de domingo, para curar a ressaca do sábado”. Lá perto, fica a Isle St Louis (já dei a dica aqui) e, segundo os parisienses, a ilha possui os melhores sorvetes de Paris. Ela também comentou sobre uma viagem que fez a região da Normandia. ” Mont St Michel, fica a umas 4 horas de carro de Paris e é lindo”. Um lugar com com muita historia e belas paisagens.

lissa mont st michel

    Um dos eventos que mais gostou de participar na cidade foi o Nuit Blanche (noite branca). É um festival de artes que acontece anualmente e promove diversas manifestações artísticas. Durante a madrugada, é possível visitar galerias de arte, museus e igrejas com uma programação especial. De acordo com o que disse, “É um dos eventos mais bonitos da cidade. Algo que me impressionou muito foi uma projeção de luz na igreja e a fonte toda iluminada que as gotas d’água, de tão finais, formavam uma névoa. São diversos pontos pelos bairros selecionados e uma dica importante que ela me deu foi pegar o mapa para não andar sem rumo. O evento ocorre no mês de Outubro, porém ainda não tem data marcada em 2014.Um verdadeiro culto a arte!

nuit blanch

    Por fim, gostaria de saber o que a motiva morar em outro país. ”O primeiro ponto é a segurança, é uma sensação de liberdade que não temos no Brasil. Além disso, o transporte público funciona, por ex: tenho um aplicativo “London Bus” que informa em quanto tempo o ônibus está chegando. Consigo me programar e sair de casa no horário. Recebo email do metrô quando a linha não vai funcionar, é muito organizado. Porém, sinto falta dos familiares e amigos, não consigo ficar muito próxima das pessoas como no Brasil”.

    E ai, viajantes, o que acharam do primeiro post “cidadão do mundo”?  Na próxima semana, posto as dicas de uma aula pratica na faculdade Le Cordon Bleu que fez com os pais. Um passeio muito legal para quem quer aprender sobre gastronomia!

PS. Bon Voyage! 

Novidades!

montagem_londres

    É com muita alegria que anuncio a todos o lançamento de mais uma categoria aqui no blog – o “cidadão do mundo”. Antes de colocar o primeiro post, gostaria de explicar um pouco mais sobre essa novidade. Quando comecei a sonhar com este espaço, pensei em diversas maneiras de me comunicar com o público. Assim como os demais sites, o objetivo principal é o compartilhamento de experiências. No entanto, me questionava se seriam apenas dicas de viagens, roteiros ou os melhores restaurantes. De fato, tudo isso faz parte do meu mundo off-line, mas não completamente. Minha vontade era explorar um conteúdo mais diversificado e apresentar as diferentes formas de viajar.

    Tenho em mente que as pessoas são motivadas por uma nova causa para realizar a próxima viagem. Muitas querem aproveitar esse tempo para fugir da rotina, outras para conhecer pessoas novas, algumas só querem descansar e outras explorar o máximo da região. Podemos sim ter diferentes motivos para cada viagem, no entanto possuímos um objetivo comum: conhecer novas culturas. Se temos esta finalidade, por que não aprender com pessoas que largaram tudo e foram viver novos aprendizados? É essa a ideia da seção cidadão do mundo, um espaço em que pessoas que moram fora do país compartilhem suas dicas locais. Para nós, viajantes, não há nada mais precioso do que conhecer alguns lugares dos quais apenas um morador pode descobrir.

    Tive a oportunidade de ter esse conhecimento em 2010. Morei durante três meses na cidade de Londres. Saí da minha zona de conforto, larguei meu emprego e fui viver uma nova experiência. Muitas vezes a minha forma de turismo era caminhar sem rumo por uma determinada região e era lá que observava o modo em que as pessoas se comunicavam, novos hábitos e culturas. Absorvi muita coisa e, principalmente, aprendi enxergar o mundo de uma uma forma mais leve.

    A princípio, os cidadãos do mundo serão pessoas que conheço. Mas a minha idéia é que isso ultrapasse fronteiras e que diversas pessoas possam contar suas histórias aqui. Vamos formar uma corrente de dicas especializadas! Por isso, se você é um cidadão do mundo, me mande um email aqui no contato. Tenho certeza que tais participações farão desta coluna algo muito gratificante para o leitor. Amanhã entra o primeiro post com uma amiga que já morou em mais de três países. Estou ansiosa para contar tudo para vocês!

PS. Bon Voyage!

Onde comer no Havaí?

    Comer no Hawaí é uma experiência saborosa. Em sua culinária típica, utilizam-se muito as frutas, os vegetais e os peixes frescos. As influências gastronômicas provêm da cozinha asiática, devido aos antepassados polinésios. A fruta símbolo da ilha, o abacaxi, também está presente nos pratos. São diversos restaurantes havaianos espalhados pela ilha de Oahu. Quem optar por conhecer algum deles, encontrará muita carne suína, poke (atum cru com molho de soja), arroz jasmim (com gergelim) e salmão lomi-lomi com cebola e tomates picados. Uma sobremesa bastante popular é o haupia, uma espécie de pudim de coco com abacaxi. Digamos que essa sobremesa está para os havaianos, assim como o brigadeiro para nós!

    O ícone da comida havaiana em Honolulu é o Helena´s Hawaiian Food. O ambiente é bem simples, sem decoração, mas acolhedor. Não espere encontrar um cardápio muito requintado, mas vale a pena conhecer. Avalie-o como uma experiência turística em que o paladar não está em primeiro lugar e sim o conhecimento. Por ser bem próximo do aeroporto, é uma ótima opção para quem está chegando ou indo embora. Quem vai para o North Shore, sugiro conhecer o restaurante Haleiwa’s Joe’s. O local possui um ambiente aconchegante e pratos muito saborosos.

montagem haleiwa´s   Uma das refeições mais prestigiadas pelo havaiano é o café da manhã.  O mais tradicional é o Leonard´s bakery e o mais disputado é o Eggs´n Things. Situado no coração de downtown Waikiki,oferece um verdadeiro café da manhã americano. O sucesso do lugar é tão grande que as filas começam a partir das 07 hs. Se você não estiver com tempo de encarar toda essa fila sugiro conhecer os buffets de café da manha nos hotéis da Av. Kalakahua. É mma boa oportunidade de apreciar o interior do hotel e tomar um café da manha com vista para praia. Fui duas vezes ao café da manha do hotel Westin. O restaurante The Verdana oferece aos clientes um Buffet bem variado com frutas, pães, omelete e entre otras opções. O valor por pessoa é em média U$ 30,00 sem bebidas.

DSC02499  DSC02511DSC02507    Aos fãs de comida japonesa, dois restaurantes originalmente americanos são as sensações da ilha. O primeiro, no interior do Modern Hotel é o Morimoto. A seleção de peixes é de extrema qualidade e a vista para a marina fazem do restaurante uma ótima opção de jantar. No dia em que visitei o local, o chefe Morimoto estava na casa auxiliando seus empregados na cozinha. Sorte de principiante, foi uma das noites mais memoráveis da minha viagem. Outra opção é o Nobu. O restaurante sempre surpreende com suas combinações inesquecíveis. No menu, muitas opções de tapas e drinks. E por fim, a ilha também oferece uma unidade do restaurante Cheescake Factory. Ele esta situado no meio das ruas de compras, uma boa opção de parada!

montagem morimotoPS. Bon Voyage!

As melhores praias – Havaí

HAVAI praias

     O Havaí é um verdadeiro paraíso aos amantes de praia e surfe. O lugar é repleto de encantos e belezas naturais. Seu clima é muito agradável durante todo ano, a média é de 18ºC a 28ºC. No verão, as águas são mais tranquilas e somente no período de inverno que as ondas alcançam suas maiores marcas. A ilha de Oahu é extensa e possuí mais de vinte praias por toda a sua costa. Pela interstate H-1, é possível cortá-la e chegar nas praias mais distantes: North Shore. A costa norte fica a aproximadamente uma hora e meia do centro. Para auxiliá-los na visita ao Havaí, listei as praias que não podem faltar no seu roteiro! Fiquei cinco dias na ilha e foi o bastante para conhecer a lista abaixo. Quem tiver mais tempo, pode optar em passear pelas outras ilhas.

Waikiki Beach 

   É a principal praia de Oahu. Cercada por muitos resorts e comércio, é a praia que os turísticas (maioria japoneses) frequentam. Local de águas mais quentes, poucas ondas e areia fina. La é possível praticar vários esportes aquáticos: Stand up Paddle, surf, canoa havaiana e passeio de barco. Para se ter uma ideia, o aluguel do SUP, para uma hora, sai em média U$$ 30,00. Seu pôr do sol é inquestionavelmente o mais bonito da ilha e vale a pena apreciá-lo.

DSC02473 DSC02501 GOPR0157 Hanauma Bay

    É a praia mais bonita de Oahu. Sua costa foi formada há milhares de anos pelas enxurradas de uma cratera vulcânica. A reserva é totalmente preservada e permite uma pequena quantidade de visitantes durante o dia. A praia é muito popular na prática de mergulho, devido a imensa população marinha na baia. Aos que se interessarem praticar snorkeling, o local oferece um quiosque para aluguel de equipamentos e roupas. Para conhecer essa praia, você precisa se planejar e chegar bem cedo. O horário de funcionamento da reserva é diariamente das 06hs as 18hs, não abre na terça-feira.  Devido a preservação do local, é cobrado um valor individual (U$ 7,50) para entrar na praia. Ha estacionamento no local e lanchonete.

DSC02286 DSC02287 DSC02298 DSC02312 North Shore

    É a praia dos surfistas. Sua região é menos desenvolvida e possui um clima mais “aloha”. E lá que o visitante encontra o verdadeiro Havaí. Seu comércio é formado por lojas que vendem e alugam pranchas, há também feiras artesanais e restaurares com comidas típicas havaianas. Indico o Haleiwa Joe’s, ícone da região e uma ótima opcao paz almoço. Sugiro passar o dia nesta costa e conhecer as praias de Waimea e Haleiwa. Outra parada interessante é a Turtle Beach, local para observar as tartarugas marinhas.

Haleiwa

DSC02381 DSC02382 DSC02396 DSC02399 DSC02414Lanikai e Kailua –

    As praias são lindas e a cor turquesa do mar lembra um pouco o Caribe. Não há ondas e o único esporte disponível é o caiaque. Dificilmente você encontrará um dia de muito sol nesse lado da ilha, pois a maioria são nublados e fechados. Seu vilarejo é bem movimentado, com muitas lojas (tem uma Macy’s) e supermercado. Em volta da praia, há muitas casas de moradores (inclusive a do presidente Obama fica nessa região).

DSC02519

 Esses são alguns dos locais que visitei. Pude observar que cada praia possui uma característica específica, mas o maior atributo do Havaí é seu espírito  “aloha”. O calor de seu povo que complementa maravilhosamente o encanto das ilhas. E você, viajante, conhece mais alguma praia que ficou fora da lista? Comente aqui para nós!

PS. Bon Voyage!