Arquivo mensal: July 2014

Veneza – Dicas para o seu roteiro!

_DSC0297   Veneza inspira o romantismo. Diferente de todas os lugares que já conheci, a cidade flutuante do mar Adriático não segue uma lógica de grandes centros urbanos: carros, semáforos e pedestres. Seu ambiente é único e provavelmente por esse motivo é considerada uma das mais belas do mundo. Sua atmosfera inspira a arte e sua arquitetura se desdobra entre os canais e vielas charmosas. Costumo dizer que muitos destinos precisam de um tempo de aproximação, ou melhor, há um “timing” pré definido. Dificilmente Veneza é conhecida em uma manhã ou “ticada” da lista em apenas um dia. A cidade requer tempo, principalmente pela dificuldade de explorá-la. Por isso, indico ao menos três dias na cidade. Abaixo compartilho com vocês detalhes do meu roteiro e da minha experiência veneziana:

_DSC0351

    Sua principal via de comunicação é o Grande Canal. Com aproximadamente três quilômetros de extensão, todas as atrações concentram-se ao redor do canal. Na parte central da cidade, a mais visitada, está a Praça de São Marcos. No local, situam-se os dois principais edifícios: a catedral bizantina de S. Marcos e o Palácio Ducal (conhecido pelo nome de Palácio dos Doges). Começar o roteiro por aqui é uma boa pedida, no entanto para um dia proveitoso sugiro chegar bem cedo. Na praça, um das principais atrações é subir na torre da igreja (Campanille) para ter uma vista panorâmica da cidade. Uma alternativa fica a poucos passos de lá, a ilha de San Giorgio Maggiore. O local é bem menos tumultuado e afirmo que a vista do campanário é ainda mais deslumbrante. A ilha possui um pequeno museu e uma das igrejas mais antigas da Itália. Para chegar ao local, pegue o vaporetto na estação S. Zaccaria. (linha 2) com destino a  estação S. Maggiore.

_DSC0324 _DSC0329

    A próxima parada desse roteiro é o Dorsoduro, um dos seis bairros que compõe Veneza. O local possui uma atmosfera mais boêmia com diversos cafés e restaurantes espalhados pelas ruelas. Sua principal atração é a Igreja Nsa Sra da Saúde e o museu Peggy Guggeheim. A visita ao museu é uma experiencia unica e o local é muito diferente das outras galerias espalhadas pelo mundo. Toda coleção de arte moderna é instalada na antigo palazzo veneziano onde a “ovelha negra” da família, Peggy Guggenheim, viveu. Prepare-se para uma explosão de cores e vida. A ponte Dell’Accademia conecta o bairro ao centro e quem visita encontra diversos cadeados de casais apaixonados. 

_DSC0364

_DSC0370_DSC0414

    A ponte Rialto está entre as atrações mais visitadas de Veneza. A ponte em formato de arco é a mais antiga da cidade. No local, funciona um mercado com diversos artigos de artesanato e comidas típicas. Outra ponte muito famosa é a dos Suspiros. No entanto, de romântica não tem nada. A partir de suas janelas os prisioneiros viam a cidade pela última vez, e certamente suspiravam, antes de serem jogados na úmida e fria prisão.

Onde se hospedar?

_DSC0384

    Um dos pontos mais delicados do roteiro em Veneza é a hospedagem. Recentemente saiu uma pesquisa realizada pela revista Exame (aqui) e a cidade ganhou o título de cidade mais cara para se hospedar na Europa. O preço médio da diária gira em torno de R$ 670,81, nada animador. Além disso, muitos prédios não oferecem uma boa estrutura ao viajante e quem se hospeda longe da estação do Vaporetto precisa percorrer muitas escadarias e pontes a procura do hotel. Fiquei hospedada no NH Palazzo Barocci, em frente a estação San’t Angello, e recomendo. O prédio recém reformado oferece quartos pequenos, porém funcionais e um simpático serviço. No valor da diária esta incluso café da manha e wi-fi.

Onde comer?

_DSC0345

    Conheci alguns restaurante em Veneza e afirmo que foi um dos pontos altos da minha viagem. Vocês já perceberam que sou uma food passion e encontrar bons restaurantes faz parte do meu roteiro. No entanto, quem viaja a Itália precisa se programar com os hábitos locais. Os italianos almoçam e jantam cedo. Dificilmente se encontra restaurantes abertos no horário da cesta ou com a cozinha em pleno funcionamento até as 22hs. Anotada as dicas, as minhas sugestões são: 

  • Alle Testiere

Foi o meu preferido de Veneza! Ambiente pequeno com apenas vinte lugares disponíveis. Recomendo ir no horário do almoço e o local é especializado em frutos do mar. Veja as recomendações do Tripadvisor (Aqui)

  • Osteria Da Fiore

Escondido nas vielas, encontra-se um dos melhores restaurantes da cidade. Seu ambiente é mais requintado, no entanto o local proporciona uma verdadeira experiência gastronômica. Indico para o jantar.Veja as recomendações do Tripadvisor (Aqui)

  • Trattoria Do Forno

Encontramos esse restaurante por acaso e foi uma grande surpresa! Tipica trattoria italiana com uma variedade de massas e risotos.Veja as recomendações do Tripadvisor (Aqui)

A partir de Veneza?

_DSC0335

    Um passeio interessante para quem fica mais de dois dias em Veneza é conhecer as ilhas da região metropolitana: Murano, Burano e Torcello. Esse passeio leva uma tarde inteira e pode ser completado em cerca de 4 horas. Todos os lugares podem ser conhecidos de Vaporetto e indico comprar o passe de 72hs por €35,00 e baixar o app {Venice Vaporetto} com mapa e trajetos offline.

E ai, viajantes, alguém já visitou Veneza? Se sim, compartilhe também as suas dicas nos comentários! No próximo post, comento como foi a minha viagem de carro até a Eslovenia.

PS. Bon Voyage!

Lago Di Garda – Inclua já em seu roteiro!

_DSC0214    Localizado ao norte da Itália, entre as principais cidades daquela região, Milão e Veneza, o vilarejo de Lago di Garda é uma joia escondida. Regado por muitas belezas naturais, seu pano de fundo é composto por Alpes e belos vilarejos. Mesmo com o título de maior lago do país, o local é reservado e os ares de cidade do interior são preservados. Foi nesse local a primeira parada da minha viagem, precisamente em Gargnano (um dos seus principais vilarejos). Muitas vezes escolho o meu próximo destino baseado no hotel que quero conhecer, vocês também são assim? Nesse caso, o Lefay Resort & Spa foi o motivo que me levou ao Lago di Garda. O hotel, localizado no topo da principal montanha da região, é digno de fundo de tela. O lugar oferece uma estrutura para dias de descanso, com profissionais atenciosos e quartos espaçosos. A regra por lá é não sair do resort e aproveitar todas as amenidades: spa, piscinas e academia. No entanto, fica divicil, pois a região é muito convidativa para quebrar essa regra.

_DSC0133 _DSC0163 _DSC0222

    O lago é bastante extenso, aproximadamente 50km de comprimento e oferece atrações variadas. Para explorá-lo, não há um percurso pré definido. Comentei no post anterior (AQUI) que fiz diversos pontos dessa viagem de carro e aconselho todos que forem ao Lago di Garda fazer o mesmo. No entanto, aos que não gostam de viajar de carro, uma alternativa é o trem. A cidade de Peschiera del Garda possui a principal estação e conecta a grandes cidades. O trajeto pode ser adquirido pela Rail Europe, representante oficial dos trens italianos no brasil.

G0633916

    Abaixo comento sobre algumas cidades que conheci ao redor do lago e recomendo a visita:

Limone Sul Garda

_DSC0184

    Fica ao lado leste do lado. É um pequeno vilarejo com belos jardins e centro bem charmoso. Não é permitido o uso de carro em seu interior e logo na entrada há um estacionamento para os motorizados. O “limone”, fruta que dá nome a cidade, esta por toda a parte. Muitas lojas de artesanato e feiras compõem o comércio local. Para o almoço, indico conhecer o restaurante Al Vecchio Fontec, especializado em frutos do mar. A partir de Limone é possível atravessar o lago e ir a cidade de Malcesine. O trajeto demora apenas 20 minutos e custa EUR 5,00 por pessoa. Uma das principais atrações no vilarejo é o Monte Baldo. O principal pico da região pode ser visitado através de um teleférico e a vista é ainda mais exuberante.

_DSC0180 _DSC0198

Riva del Garda

    Esta localizada ao norte do lago e é uma espécie de capital. Seu comércio é mais robusto e nota-se a presença de residentes. A cidade é muito bem cuidada, com pequenos jardins floridos e monumentos restaurados. Seu centro é compacto e facilmente explorado a pé. O local é repleto de restaurantes e um dos principais é o Ristorante Pizzeria Maffei.

 Sirmione

_DSC0269

    Fica ao sul do lago. Localizado em uma península, o vilarejo é um dos mais movimentados da região. O centro antigo fica dentro das muralhas do Castello Scaligero, seu principal cartão postal. O local é um dos mais preservados da Itália e permite visitar seu interior. Para ter uma vista panorâmica da cidade, vale subir em seu topo e o ingresso custa EUR 8,00 por pessoa. O centro histórico é repleto de vielinhas charmosas, com restaurantes, lojinhas e bares. Para o almoço, indico o restaurante La Rucula, especializado em culinária contemporânea. Outra sugestão são os restaurantes com vista para o lago.

_DSC0246

Outras cidades que recomendo a visita são Lazise e Desenzano del Garda. Ambas ficam ao sul do lago e possuem vilarejos charmosos.

E aí, viajantes, gostaram do post sobre o lago di garda? No próximo, comento sobre outras cidades italianas: Verona e Veneza.

PS. Bon Voyage!

Dicas roteiro – Itália * Eslovenia * Croácia

_DSC1139     Quem me acompanha pelo instagram (@ps_bonvoyage) sabe que acabei de fazer uma viagem por algumas cidades da Itália, Eslovênia e Croácia. Quando comecei a planejar esse roteiro, pensei em fazer uma viagem de carro e ter a oportunidade de conhecer cidades menores e vilarejos durante o caminho. Acredito que esse modelo agrega muito no valor cultural e cria novas experiências. O total da minha jornada foram mais de 1.000 quilômetros rodados, durante 13 dias, e inúmeros vilarejos descobertos. Abaixo compartilho com vocês detalhes da minha viagem:

roteiro_europa    Vocês já devem ter percebido que sou apaixonada por calor e praia. Viajar durante o verão europeu pode não soar tão animador pelo fato de tudo estar lotado e mais movimentado. Realmente isso não é conversa fiada, no entanto uma viagem bem planejado pode trazer benefícios e uma definição com antecedência gera muitas benfeitorias ($) para o seu roteiro. Comecei a elaborar essa viagem com três meses de antecedência, uma boa margem de segurança para encontrar bons preços. Já havia recebido ótimas indicações sobre a Eslovênia e “combinar” o destino com a Itália e Croácia parecia bem interessante. Com isso, a minha primeira definição foi o aéreo. Após muitas pesquisas, comprei as passagens pelo site da Expedia com chegada em Bérgamo (Itália) e retorno por Dubrovnik (Croácia). A cia aérea utilizada foi a Lufthansa, sempre uma ótima experiência. O primeiro carro já foi alugado no aeroporto de Bergamo (sem antecedência). A locadora Avis ofereceu o melhor preço para um carro simples (modelo Smart) e no total foram EUR 200,00 para 4 dias com o carro.

    A primeira parada foi em Lago Di garda, vilarejo italiano entre as cidades: Milão e Veneza. O local preserva ares de interior e o lago possui o título de maior do país. Ao seu redor, inúmeros vilarejos formam uma paisagem convidativa para dias de muito descanso. A minha base foi a cidade de Gargnano, situada ao lado leste do lago. Optei em ficar hospedada no topo das montanhas e o Lefay Resort foi o hotel escolhido. Já havia visto muitas fotos do local e por incrível que pareça, superou todas as minhas expectativas (em breve, faço um post sobre o hotel). Durante três dias percorri algumas cidades como: Limone Sul Garda, Riva del Garda, Malcesine e Sirmione.

_DSC0133 _DSC0163 _DSC0174 _DSC0214

    Outra cidade visitada na Itália foi Veneza. O local mundialmente conhecido por seus canais e romantismo foi um ponto estratégico antes de seguir viagem para a Eslovênia. Em seu centro, não é permitido utilizar veículos. Com isso, devolvi o carro no aeroporto e retirei outro somente quando peguei estrada. Como os países fazem parte da União Européia, transitar entre as cidades é livre. Portanto, não há necessidade de visto e passar pelo “controle de passaporte “. A chegada a Eslovênia foi tranquila e o país, com título de terceiro menor da Europa, me surpreendeu com tamanha beleza.

_DSC0355 _DSC0412

_DSC0475    Por fim, a Croácia foi a nossa última parada. Por questão de tempo, utilizamos avião para ir de Zagreb a Split (cidade portuária). O trajeto de 400 quilômetros também pode ser realizado de carro e o grande beneficio é apreciar a beleza da estrada. O voo domestico foi comprado direto pelo site da Skyscanner e realizado pela cia aérea Croatia Airilnes. O voo é muito curto, duração de 40 minutos e ajuda dar uma pitada de emoção na viagem por se tratar de um monomotor. A cidade de Split é o portao de boas vindas do mar Adriático e de lá partem muitos barcos para as famosas ilhas Hvar e Brac. O trajeto é realizado pela empresa Jadrolinija e custa 55,00 Kunas (moeda local) por pessoa. Infelizmente não é permitido comprar pelo site.

_DSC0793 _DSC0795

_DSC0849 _DSC1290

Abaixo compartilho mais detalhes dos hotéis que fiquei hospedada nessa viagem. Nos próximos posts, comento sobre cada lugar visitado e as minhas dicas do que fazer em cada região.

Ficha técnica:

Lefay Resort – Lago di Garda

NH Palazzo Barocci – Veneza

Grand Hotel Union – Liubliana

Esplanade Hotel – Zagreb

Adriana – Hvar

Dubrovnik Palace – Dubrovnik

PS. Bon Voyage!

Roteiro Califórnia | Parte 2

foto 16    Comentei no post anterior que a minha viagem de carro pela costa oeste americana começou em Las Vegas. No entanto, vou pular a primeira etapa e ir para um dos pontos altos do roteiro: Los Angeles. A maior cidade do estado é um verdadeiro cenário californiano. O céu colorido, pôr do sol de beleza indiscutível e os altos coqueiros criam uma atmosfera de sonho. A cidade tem sol e temperatura amena durante todo o ano, sendo assim um clima super agradável e com inúmeras propostas de atracões e diversões. Em Los Angeles, a regra é conhecer um pouco da cidade e explorar as praias ao redor. Fiquei cinco dias no local (a divisão total do roteiro está AQUI) e considero pouco! Abaixo listei o que mais gostei de conhecer:

Passeios + Pontos Turisticos

foto 13

    Diferente de algumas cidades americanas, como NYC, que possuem centros urbanos compactos, em LA tudo é bem pulverizado. Não há nada tão perto com a facilidade de fazer a pé, sempre há necessidade de carro ou algum meio de locomoção. Para ajudar nesse ponto, vai uma dica! Tenho o costume de chegar na cidade e fazer um reconhecimento no primeiro dia. Considero isso fundamental para identificar os lugares e no português literal “me encontrar”. Em LA, as opções são variadas: do clássico ônibus turístico (vale checar a empresa – A day in LA Tour), ao walking tour e bike tour. Vale realizar algum tour e os pontos turísticos que não podem faltar no seu primeiro dia, são: Calçada da Fama, Hollywood Blv, Kodak Theatre, Graumans Chinese Theatre (onde acontecem várias premieres), o museu de cera Madame Tussauds e letreiro Hollywood. 

    Sempre bato no martelo a ideia de promover novas experiências em viagens. Conhecer os ícones das cidades é importante, no entanto buscar “novas atrações” é o grande trunfo de uma viagem bem elaborada. Pensando nisso, para o segundo dia do seu roteiro, sugiro contratar um guia turístico para conhecer alguns lugares especiais. Em LA, o observatório de griffty park e getty museum são imperdiveis, pelo acervo e visual. Outro lugar impressionante é Mullholland View Point, com vista para todo a cidadeMinha dica é a empresa especializada em tours para grupo menores: LA insider Tours e California Dream Tours Day Tours

Praias

foto 12

    Vocês já devem ter percebido que sou apaixonada por praias! Sinto uma alegria imensa em viajar para lugares com praias especais e, em Los Angeles, foi exatamente isso que me cativou! As praias mais próximas são Malibu, Santa Monica e Venice Beach. Todas ficam muito próximas entre si e o critério do tempo de visita a cada uma é pessoal. No meu roteiro, comecei o dia em Malibu Beach com um café da manha com vista para o mar. Sao vários cafés na avenida principal, só escolher. Visitar a praia é ultra recomendado, uma das mais bonitas da região é a El Matador. Uma praia isolada, com enormes rochas e céu azul. Outra praia muito conhecida é a Zuma Beach, ponto de encontro dos surfistas da região. Santa Monica é o lugar mais agitado das três cidades, seu icônico píer foi eternizado pelo filme do Tom Hanks, mas não deixa de ser ultra charmosa! Para o lugar, você pode deixar na programação o almoço e compras. A Third St. Promenade, paralela a rua da praia, reúne ótimas lojas como: French Connection, Sephora, Abercrombie & Fitch, Steve Madden e Victoria’s Secret, entre outros. O shopping também é ótimo e uma alternativa para as compras. 

    Venice Beach merece um paragrafo só dela. Digo que foi o meu lugar preferido da viagem, a atmosfera e estilo do local me encantaram. Seu dia pode terminar por aqui e o pôr do sol será para sempre lembrado. Conhecida como Veneza das Américas, o lugar é um reduto de boas atrações e atrai um público mais alternativo. O calçadão “the boardwalk” é o cartão de boas vindas e reúne artistas de rua, lojas locais e ótimos restaurantes. Um boa forma de explorar a região é de bicicleta! Há várias locadoras no calçadão e o aluguel de uma hora custa em média US$6,00. O local também é considerado um dos melhores lugares de compra em LA e a rua Abbout Kinney é parada obrigatória. Um ótimo programa é almoçar em algum restaurante da orla, com vista para o mar! Indico o Barlo Kitchen, do hotel Erwin, e o Venice Ale House.

Compras

foto 15

    A The Grove foi um dos achados de compras na viagem! O local é um shopping a céu aberto em Los Angeles, super charmoso e recheado de marcas interessantes, como: ZARA, Apple, Forever 21, Bath & Body Works, Victoria Secrets, entre outras.  Além disso, há uma filial da loja de departamento Nordstrom e Create & Barrel (comprei muitas coisas para o enxoval lá). Um shopping que recomendo é o ao lado do Kodak Theatre, uma ótima variedade de lojas e restaurantes. A famosa Rodeo Drive merece uma visita (rápida), mas a regra por lá não são os achados. As lojas de fast fashion estão por toda parte, não deixe de passar na TopShopZaraUrban OutfittersAmerican Appareal e Forever 21. 

E ai, viajantes, gostaram das dicas? No proximo post, comento os 10 restaurantes que mais gostei de conhecer na região!

PS. Bon Voyage!

 

Roteiro Califórnia | Parte 1

foto 2    Fazer uma viagem de carro pela costa oeste americana sempre foi um dos tópicos da minha “bucket list”. A Califórnia fazia parte do meu imaginário desde quando era adolescente, certamente pelos inúmeros seriados e filmes que eram rodados por lá. De fato, o estado possui uma beleza indiscutível e suas praias são conhecidas mundialmente. Sendo assim, a tarefa mais difícil é montar o roteiro! São inúmeras possibilidades de paradas, cidades escondidas e vilarejos charmosos. Além de sempre vir à tona a ideia “já que estou na Califórnia por que não dar um pulo até tal lugar?”. Aquela nossa mania de querer completar mil destinos em uma única viagem, digo nossa porque também sou assim! Comentei no post anterior (AQUI), que o motivo da minha viagem à Califórnia foi para procurar o meu vestido de noiva em Los Angeles. No entanto, o motivo do meu marido (na época noivo) era conhecer Las Vegas. Pensando na necessidade de cada um, e a viagem de carro, criei o meu roteiro. Abaixo compartilho como comecei a elaborá-lo:

   Geralmente o percurso começa em uma das grandes cidades com aeroportos internacionais da região: Los Angeles, São Francisco ou Las Vegas. No meu caso, após uma pesquisa detalhada, a melhor passagem encontrada foi ida por Las Vegas e volta por São Francisco. Os sites (submarino viagens, expedia, kayak), que reúnem passagens de várias companhias aéreas, são uma boa ferramenta de pesquisa e disponibilizam muitas tarifas promocionais que não são encontradas no endereço da própria empresa. Mas não se iluda, esses portais trabalham como agências de viagem e cobram taxas extras pela “ajuda”. Por isso, vale a pena checar nos dois e comparar o melhor preço final. O segundo ponto dessa viagem é separar a quantidade de dias para cada cidade. Minha dica é sempre ter em mente o pensamento “Quem quer conhecer tudo, não conhece nada”. A variedade é um grande atrativo, mas nesse caso pode atrapalhar. Com isso, a minha métrica foi a seguinte: 3 a 4 dias para as cidades maiores, 2 dias cidades menores e 1 dia para ponto de parada. O terceiro ponto é: qual o meio de transporte para percorrê-las? Como gostaria de fazer a viagem de carro, aluguei o veiculo no meu último dia em Las Vegas e devolvi em São Francisco. No total foram sete dias e muitas locadoras como a Enterprise, Dollar e Alamo, cobram 600 dólares por uma semana de carro. Com isso meu roteiro ficou assim:

foto 6

    Outra maneira de elaborar esse roteiro é a seguinte: incluir uma cidade de praia, uma cidade montanhosa e uma atração principal. Nesse caso, o roteiro é personalizado e atende a necessidade individual do viajante.

Quais praias devo visitar?

A Califórnia possui as praias mais conhecidas do país e algumas são imperdiveis: Laguna BeachVenice BeachMalibu BeachHuntington BeachEl Matador BeachParadise Cove Beach e Zuma Beach. Todas ficam muito próximas entre si e o melhor local para hospedagem é Santa Monica ou LA.

foto 8

Cidades montanhosas?

Nem só de verão vive a Califórnia! O estado nos remete a calor e praia, mas oferece algumas alternativas aos que preferem fugir dessa combinação. Um dos lugares mais procurados, durante o inverno, é o Lake Tahoe. O local possui a melhor estação de ski da Califórnia e uma ótima infra estrutura. Outra opção é o Yosemite Park, região montanhosa próxima de Sao Francisco. O parque nacional é muito visitado e agrada aos aventureiros e alpinistas. Vale separar de 2 a 3 dias na região.

O que quero dizer com atracão principal?

Algo direcionado ao seu interesse! Se vc é jovem e procura um lugar mais badalado, pense em incluir Las Vegas, Los Angeles, San Diego ou Venice Beach em seu cronograma. No entanto, aos casais apaixonados vale pensar em Napa Valley ou Carmel. Outro ponto: se vc é praticante de esportes vale pensar em Grand Canyon e Pebble Beach, local preferido dos golfistas.

    O indicado para um viagem proveitosa na Califórnia são 14 (quatorze) dias. Não pense em jamais fazer o trajeto Los Angeles – Sao Francisco de uma tacada só. Não vale a pena! O mínimo que você precisa nesse trajeto é uma pernoite em algum ponto da viagem. Isso também vale para as outras opcões que sugeri para o roteiro personalizado! No próximo post, comento sobre cada lugar que conheci nessa viagem!

PS. Bon Voyage!