Roteiro Espanha – Pueblos blancos

_DSC2935    Visitar vilarejos é um convite irrecusável aos que rejeitam um turismo relâmpago. Digo isso pela proposta completamente diferente dos grandes centros urbanos. Se nas capitais, a lista de pontos é extensa e o ritmo da visita é mais acelerado; nas cidades menores a viagem corre em um ritmo lento, no qual há espaço para admirar e contemplar o local. Em nossa viagem a Espanha abusamos das road trips e não é um exagero! Começamos pela magnífica rota dos pueblos blancos, na região sul, e ainda deu tempo de incluir no roteiro um trajeto composto por vilarejos medievais ao norte do país. Abaixo compartilho todas as dicas:

_DSC2929 _DSC2915     Que tal um roteiro que percorre cidades com localização privilegiada, cercadas por campos de oliveiras, vinícolas e casas de calcário? Essa é a Costa da Luz, também conhecida como Rota dos Pueblos Blancos. No percurso, a única exigência é não ter obrigações, pois não existe um trajeto pronto, quem decide quanto tempo dedicar a cada cidade, quando fazer uma pausa mais longa ou acelerar a viagem é o viajante. Em nosso caso, como estávamos em Sevilha {tem dicas do roteiro aqui} a cidade foi eleita como nosso ponto de partida.

Captura de Tela 2015-01-22 às 16.50.26    Munidos de um bom GPS, a primeira parada foi em Arcos de La Frontera. O vilarejo, a apenas uma hora da capital da Andaluzia, é considerado a porta de entrada do Parque Natural de Grazalema. O lugar possui em seu ambiente as principais características da região: casas entranhadas nas rochas — elas só não parecem fazer parte da paisagem de pedras porque são pintadas de branco. Um fato interessante é que várias delas são centenárias e, atualmente, alugadas a turistas, no esquema de “turismo rural” muito em voga na Espanha. Tem todos os detalhes no site da agência Los Pueblos Blancos

_DSC2914     Seguindo o roteiro de um dia, a próxima parada é a pequena Ubrique. A cidade, que sofreu fortes influências romanas, tem como principal atrativo suas antigas ruínas quando ainda se chamava Ocuri. As raízes mouras estão por toda a parte e, por possuir um centro bem compacto, é facilmente explorada a pé. Apenas 40km separam o vilarejo histórico da próxima cidade: Grazalema. O local é um verdadeiro cartão postal da região. Conhecida como a cidade mais chuvosa da Espanha, possui em seu ambiente desfiladeiros, picos irregulares, cavernas e pequenos canyons. Sim, o espaço tem o cenário perfeito para esportes ao ar livre. Na cidade um boa pedida é saborear uma das deliciosas iguarias da região. O Casa de Las Piedras é um restaurante de comida típica e com um ambiente único.

    No entanto, a cereja do bolo desse roteiro fica para o final, Ronda. É lá que o visitante escolhe se deseja seguir viagem até Granada, ultimo ponto, ou ficar mais um dia nesse local apaixonante (minha dica é o hotel Parador Ronda. A cidade oferece o que a Espanha tem de melhor: arte e história. Separada por um desfiladeiro, o lugar possui uma posição privilegiada e a quase 800 mts acima do nível do mar. Assim como a maioria dos vilarejos na região, seus monumentos possuem grande influencia da arquitetura moura, como o Palácio de Mondragón e o Palácio do Marquês de Salvatierra e a Igreja Matriz. Além disso, sua Praça de Touros é uma das maiores e mais antigas do mundo, e foi lá que no século XVIII a atividade passou a ter o status de arte.

_DSC2955 _DSC2972    Uma forma única de explorar a cidade é pela empresa TopBuggy. São mais de dez opções de transportes para conhecer as principais trilhas e caminhos alternativos. Um bom passeio é descer o penhasco a pé. Há uma trilha que beira a encosta e chega até o rio, onde há diversos pontos para ótimas fotos. No entanto, não se despeça dessa rota antes de passar pelo restaurante Meson El Sacristan, uma ótima experiência.

    No próximo post, compartilho dicas do roteiro pelas cidades medievais: Toledo, Ávila e Segovia.

PS. Bon Voyage!

1 comentário

Deixe um comentário