Roteiro viagem – Turquia, Itália e Marrocos

    Antes de dar continuidade aos posts da viagem pela Turquia, Itália e Marrocos, vou compartilhar com vocês todos os detalhes do roteiro. Uma introdução com informações do nosso dia a dia, nossas bases (lugares que ficamos hospedados), meios de transporte e quantos dias separamos para cada região. E vocês sabem como é: na ansiedade de contar sobre cada país, acabei esquecendo de escrever um post com todos os detalhes da organização prévia. 

    Foram 18 dias de viagem divididos em 7 bases: Istambul (3 noites), Taormina (3 noites), Panarea (2 noites), Palermo (3 noites), Marrakesh (3 noites), Asni (2 noites). De fato, a viagem teve um ritmo “high travel“, ou seja, mais rápido do que o indicado. Por se tratar de grandes regiões (com muitas atrações), o roteiro circular que normalmente recomendo por aqui “monta uma base e faz alguns bate-voltas” não funcionou muito bem. Foi necessário se hospedar em diferentes lugares, na mesma região, para ter um melhor aproveitamento. No entanto, não recomendo esse tipo de roteiro quando o propósito da viagem é descanso! Vale ficar mais tempo em um determinado ponto e deixar para uma próxima viagem as outras paradas. Isso vai de cada pessoa, o importante é entender a necessidade da viagem e montar algo que combine mais com você.

_DSC7159 _DSC7167 _DSC7273   O primeiro passo deste roteiro foi a definição da cidade responsável pela entrada&saída. Neste caso, como compramos as passagens por milhas (programada fidelidade multiplus) optamos em chegada por Istambul e retorno por Madrid. Costumo dizer que isso é um dos melhores investimentos na viagem porque não precisar contabilizar no roteiro o custo para voltar ao ponto inicial e o tempo do deslocamento. O aeroporto de Ataturk, em Istambul, possui o maior tráfego aéreo da Turquia e faz conexões com diversos países, algo que gera ótimas economias ($) no primeira etapa do roteiro. Sempre checo o site flylc para identificar qual companhias aérea low cost  opera em determinado trecho. O site possui uma interface bem simples, basta informar a cidade de partida/chegada que aparece uma lista com todos os países e as respectivas companhias aéreas. No nosso caso, a segunda etapa do nosso roteiro foi para a Itália e voamos em um voo direto de Istambul para Catânia. A cia aérea foi a Turkish Airlines, considerada a melhor da Europa em 2015, e o tempo de duração da viagem foi de apenas 1h30min.

_DSC7607 _DSC7656

_DSC7369 _DSC7406 _DSC7670

   Em Catânia, seguimos para a cidade de Taormina, a apenas 40 minutos de distância, em um transfer contratado diretamente do Brasil. Como estávamos em três mulheres, o serviço se ajustou perfeitamente ao roteiro e não precisamos encarar as subidas tortuosas até a bela Taormina. Na cidade, não há necessidade de carro, afinal muito se faz a pé e a principal atração são os passeios de barco. Não usamos taxi ou outro meio de transporte, aproveitamos para fazer muitas caminhadas em nossa primeira parada na Sicília. Comentei no início do texto sobre o tamanho da região e, de fato, isso acabou acelerando o ritmo dos nossos dias. As ilhas eólicas são a principal atração da face leste da lha siciliana e não estava nos planos fazer apenas um bate e volta até determinada ilha (Lipari, Stromboli, Salina ou Panarea), por isso escolhemos nos hospedar em uma delas. Portanto, depois de três noites em Taormina seguimos para Milazzo – uma bela cidade portuária a apenas 1h20min de distância. De lá, pegamos um catamarã para a ilha de Panarea. O bilhete foi comprado com antecendência no próprio site da companhia marítima Siremar. O valor por trecho/pessoa é em média 13,30 EUR + taxa de emissão, mas não se preocupe: vi algumas pessoas comprando o bilhete na hora sem nenhuma dor de cabeça. A viagem até Panarea demora uma média de duas horas (é a ultima parada) e é aquele esquema típico catamarã europeu: corra quem puder com as malas em busca de um bom lugar (risos) não existe assento marcado e, para quem não é muito ágil, vai passar a viagem inteira de pé! Passamos duas noites em Panarea, o que considero bem corrido porque a ilha é incrível (vale considerar o dobro – quatro noites) e depois votamos para Milazzo para seguir para Palermo, nossa última parada na ilha. Nesse trecho, não tivemos escapatória e alugamos um carro para explorar bem a região oeste da Sícilia. Sem carro por lá você fica muito limitado ao transporte público e deixa de conhecer alguns lugares fascinantes. Costumo sempre cotar pelo Brasil na rentalcars e alugamos um carro médio durante as três noites. De Palermo, visitamos a ilha de Favignana, San Vito Lo Capo, Reserva, Castelmmare del Golfo – sempre deixando o carro em lugares seguros, afinal estamos na Itália! 

_DSC7399

    Catamarã no pequeno porto de Panarea

    A nossa última parada foi no Marrocos, algo que considerei muito bom por ser o destino mais exótico. Infelizmente não existe voo direto de Palermo (sul da Itália – Sicília) para Marrakesh, portanto compramos um voo pela cia low cost Vueling  com conexão em Barcelona. Sempre utilizo o site da Skyscanner para voos de custa distáncia, eles oferecem bons preços e a única parte ruim é que não é permitido dividir. Pagamos uma média de 130 EUR por pessoa e chegamos bem a noite em Marrakesh. A segunda maior cidade do Marrocos é um capítulo a parte e que merece muitos e muitos posts. Para ter uma experiência bem real no local, dividimos nossa hospedagem dentro Riad El Fenn e fora da medina Four Season Marrakesh (parte antiga da cidade). Mas se você me perguntar se eu recomendo esse tipo de hospedagem, digo não – bem categórico. É cansativo e muitas vezes mais caro do que ficar em um único hotel. Além disso, Marrakesh é uma cidade com um centro relativamente pequeno e com as atrações próximas, não tem aquela história de boa localização dentro ou fora da medina. Lembrando que isso é uma opinião bem pessoal e já estava viajando há mais de 12 dias! Mas nossa expediência ficou ainda mais completo com o fim da viagem no magnifico Kasbah Tamadot, confesso que foi um toque de requinte ao roteiro, mas foi essencial para explorar a região da montanha atlas. O lugar é uma paz e conseguimos descansar depois de muitos dias intensos! 

_DSC7848 _DSC7851

_DSC7799

    Visual interior Riad El Fenn
_DSC8034    Pátio Marrakesh Four Seasons

Para quem gostou das dicas do roteiro, já tem post sobre:

Post 1 – A multicultural Istambul 

Post 2 – Um dia pela cidade antiga 

Post 3 – Istambul by Michele Gultan 

Post 4 – Sicília – a bela Taormina

Post 5 – Sicília – a surpreendente Favgnana

PS. Bon Voyage!

  

2 comentários

  1. Paula passarelli em Responder

    Ola, adoro seu blog e ja me ajudou muito a planejar minha proxima Viagem. So queria saber mais Sobre esse Flylc, sobre voos, nao abre o link. Muito obrigada

    1. Priscila em Responder

      Olá Paula, obrigada! fico muito feliz em saber :) Já arrumei o link para o site, testei aqui e deu certo! Entra no site que vai te ajudar muito com os trechos internos do seu roteiro, fica mais fácil identificar as companhias low cost!! Qualquer coisa me avisa, Beijos

Deixe um comentário