Tag: Croácia

Dubrovnik – Bate e voltas que valem a pena!

_DSC1287

A Croácia foi um dos países que mais gostamos de visitar no ano passado e quem acompanha o Instragram sabe disso! Vire e mexe o tema volta a tona e compartilhamos milhares de fotos desse fantástico destino. Por aqui, já comentamos sobre o nosso roteiro (aqui), dicas de Hvar (aqui) e Dubrovnik (aqui). No entanto, como falar de lá nunca é demais (espero que para vocês também!), hoje vamos comentar sobre os possíveis bate-voltas a partir de Dubrovnik – a pérola do Adriático. 

Quem me acompanha desde o inicio do blog, sabe que esse formato de viagem me agrada muito. Fazer muitas bases (paradas/hospedagem) na viagem muitas vezes fica mais cansativo do que simplesmente ir até o lugar, passar o dia e voltar. Obviamente isso implica em condições favoráveis, como bom meio de transporte + curta distância + cidade pequena fácil de explorar – então já sabem, se o destino reúne esses três pré-requisitos, pode fazer uma day trip! Na Croácia, por ser um país pequeno e com ótimas rodovias, o esquema de bate-volta cai como uma luva! Por exemplo, ao norte, a partir de Zadar (cidade super interessante) vale visitar o lagos de Plitvice – umas principais atracões turísticas do país e que fica apenas 40 minutos de carro da cidade. Já um pouco mais ao centro, outras visitas interessantes é a cidade histórica de Trogir (lugar onde está a Fortaleza de Klis – um dos cenários do seriado Game of Thrones) e o Parque Nacional de Krka que fica a 86 Km de Split. 

5-must-see-game-of-thrones-shooting-locations-in-croatia-klis-fortress-auto-europe

No entanto, é a partir de Dubrovnik que estão algumas das paradas obrigatórias no roteiro da Croácia. Devido a sua ótima localizacao geográfica, fronteira com a Bósnia e Montenegro, o lugar é uma espécie de parque de diversões dos viajantes mais acelerados. Além de todas as ilhas incríveis coladas em Dubrovnik, o viajante ganha um plus em poder conhecer essas maravilhas da natureza! 

Montenegro


IMG_1558 IMG_1579

Montenegro é uma das belas heranças da antiga Iugoslávia! Com apenas 8 anos de vida (independente da Sérvia em 2006), o local é bem preservado e possui algumas das cidades medievais mais bonitas da Europa.  Seu cenário poderia servir de inspiração para as filmagens da Terra Média, afinal conta com uma bela cadeia montanhosa, fiordes, caniôns e lagos. No entanto, são as cidades de Kotor, Budva e Sveti Stefan que fazem a fama do local e veja só por que: 
  • KOTOR

IMG_1546

A cidade de Kotor fica a apenas 92km de Dubrovnik, no entanto o trajeto não é tão simples devido a quantidade de túneis e curvas. Como a ideia é visitar outro país, é importante levar o passaporte (original) na viagem por conta da fiscalização na fronteira. O processo pode ser simples, no entanto caso tenho um policial um pouco mais inspirado – o processo irá demorar alguns minutos para impressão e carimbo no documento. A grande atração do vilarejo é a Baía de Kotor – considerada uma das mais bonitas do mundo, e patrimônio não só cultural e histórico, mas também natural da humanidade pela UNESCO. Mesmo se você optar em visitar a cidade de forma independente (aluguel de carro) ou com alguma empresa turística – vale conhecer à Fortaleza de Kotor. E sabe como? Não é de teleférico nem de bondinho. É subindo a pé mesmo por uma escadaria de pedras de nada mais nada menos do que 1350 degraus. Essa proeza exige bom preparo físico. É para os fortes. Especialmente, no calor do verão. O valor do ingresso para a subida é 3 euros. 

  • Budva 

visitar-montenegro-2

A apenas 23km de Kotor esta a segunda parada em Montenegro: Budva. A cidade medieval amuralhada e super bem preservada e o principal balneário durante os meses de verão. Suas praias são parecidas com a da Croácia: aguas cristalinas e pedrinhas ao invés de areia. Seu litoral possui mais de 20km de extensão, no entanto uma boa parada é a Becici – que foi escolhida como uma das praias mais bonitas do Mediterrâneo. 

  • Sveti Stefan 

Budva_how-to-get-there_13

Por influência da Croácia, a vizinha badalada que é o principal destino turístico dos Balcãs, Montenegro passou a receber muitos turistas. E assim, a ilha de Sv. Stefan foi escolhida pela luxuosa cadeia Aman para instalar esse hotel super exclusivo num lugar paradisíaco e cheio de história. O hotel ocupa toda a ilha de Sv. Stefan (que tem 12.440 metros quadrados) e teve o cuidado de preservar as casas medievais com sua estrutura externa intacta e instalações super confortáveis no interior dos 50 quartos e das 8 suítes. Seu acesso é feito por um istmo, uma espécie de passarela, que conecta a ilha ao continente. Não há outra maneira de entrar no hotel.  Também há algumas acomodações na cidade, na Vila Milocer, onde fica a praia privativa do hotel. E, que praia! Uma daquelas que não dá vontade de ir embora de jeito nenhum. A água é cristalina, pois o fundo é todo de pedras rosadas. Espetacular!

Gostaram das dicas?

PS. Bon Voyage!

Roteiro Croácia | Hvar

IMG_2227

    Relendo os últimos posts sobre a Croácia percebi que não havia escrito nada sobre Hvar – a ilha mais badalada do mar Adriático. Sua atmosfera festiva é semelhante a lugares como Ibiza (Espanha), Mykonos (Grécia) e Bodrum (Turquia) – cheio de atracões e que atrai bastante o público jovem. Além de bares e festas, a ilha tem muito a oferecer: seu litoral é repleto de praias maravilhosas e sua posição estratégica convida o viajante a fazer bate-voltas interessantes. Considerado o lugar mais ensolarado do país, com uma média anual de quase oito horas por dia (mais de 2,7 mil horas por ano), a ilha é composta por oito povoados: Hvar, Stari Grad, Vrboska, Zavala, Poljica, Bogomolje e Sucuraj. A capital Hvar Town é um vilarejo pequeno, no qual não circulam carros e tudo pode ser feito a pé. 

COMO CHEGAR

A forma mais fácil de chegar em Hvar é a partir de Split – cidade portuária que fica a três horas de carro de Dubrovnik e uma hora/meia de Zadar. Seu porto é a principal conexão entre o litoral croata e as principais ilhas da costa. Uma das empresas mais antigas que faz o transporte marítimo é a Jadrolinija que opera o trecho com Catamarãs (só transporta pessoas) que desembarca em Hvar Town e ferries (transporte de carros) que desembarca no porto de Stari Grad. Em seu (site oficial) é possível conferir os trajetos, horários e comprar os tickets. Como nós visitamos a Croácia durante o verão europeu (Julho) já compramos o ticket direto pelo site e, assim que chegamos no porto, pegamos o bilhete oficial no escritório da empresa. Vale um alerta: assim como a maioria dos catamaras europeus, não existe assento marcado, portanto, vale ficar atento ao horário de saída e encarar a fila do embarque com antecedência. Outro ponto é: para não confundir na saída, sempre confira o nome do barco no bilhete (por ex: Judita, Karolina…). 


hvar_dalmatia-676x484

Os principais trajetos do catamarã no litoral de Hvar

A viagem de Split a Hvar tem duração de uma hora e as saídas costumam ser bem cedo ou no fim do dia. Portanto, quem opta em sair a tarde, vale aproveitar o dia para conhecer Split. Seu porto fica a poucos passos do antigo Palácio de Diocleciano – coração da cidade e área repleta de lojas, bares e restaurantes. Caminhar por lá é uma verdadeira viagem ao tempo e um programa cultural muito interessante que se encaixa perfeitamente no tempo de espera. Dica: O escritório da Jadrolinija possui uma espécie de locker para guardar as malas sem custo adicional. 

_DSC0783 _DSC0796

ONDE SE HOSPEDAR?

Reserve ao menos três dias em Hvar para conhecer as principais atracões da ilha. A melhor localização é Hvar Town (capital) e por lá é possível encontrar algumas opções de hospedagem: albergues, casas particulares (algo bem comum na Croácia) e hotéis boutique. A rede Suncani Hvar é proprietária dos três principais hotéis da ilha: Riva, Adriana e Amfora – localizados a poucos passos do centro. A rede oferece ao hóspede uma ótima infra-estrutura: piscinas naturais e aquecidas, bares, restaurantes, praias privativas, sauna e academia. A vantagem de se hospedar nos hotéis da rede é que eles são “integrados” e é possível desfrutar das áreas comuns com um único cartão de acesso (no caso, a chave do quarto). 

IMG_2155

Vista da piscina no hotel Amfora

Nós escolhemos ficar no Riva por ser menor e mais charmoso. O quarto era pequeno, porém confortável, os funcionários atenciosos e o restaurante do café da manha foi uma grata supresa. Os hotéis da rede Suncani ainda contam com um clube de praia chamado Bonj Le Bain Beach – por lá o hospede pode reservar uma tenda para passar o dia e desfrutar do ótimo serviço de praia. 

Outra opção na ilha é o The Palace, hotel da rede Suncani, porém menos badalado. Localizado na praça principal, o hotel possui 73 quartos e possui 3 estrelas. As diárias são em torno de 300 euros.

O QUE FAZER DURANTE O DIA?  
  • Praias

A ilha de Hvar possui algumas das praias mais bonitas da Croácia. Seu litoral é extenso, com águas cristalinas e fundo cheio de pedrinhas. Sim, diferente das nossas praias brasileiras, por lá toda a extensão de areia é preenchida por pedras e precisa usar um sapato certo (de preferência papete) para não se machucar. As melhores praias ficam na parte leste da ilha (afastadas do centro) e uma boa maneira de conhecê-las é de scotter (moto) ou carro alugado. No roteiro não pode deixar de incluir a praia Milna – com um centrinho charmoso e uma boa infra-estrutura, Uvala Dubovica – localizada a 8km do centro de Hvar e acesso apenas por trilha e Zarace Beach – localizada no vilarejo de Zarace e com um mar tranquilo/cristalino.

_DSC1179 _DSC1182 _DSC1213

_DSC1199

Stari Grad: cidade super charmosa localizada a 20min de carro de Hvar Town.
  • Passeio de barco

No roteiro de Hvar vale separar pelo menos um dia para fazer um passeio de barco. Na praça Trg Svetog Stjepana é onde ficam os prédios mais importantes da ilha: a Catedral de Santo Estevão com seu campanário do século XVII e a Marina local onde saem os barcos para as cavernas e ilhas. Um passeio altamente recomendado é o de meio dia (duração 6 horas) para as cavernas Blue Cave e Green Cave. Ambas podem ser visitadas apenas no período da manha, por conta da incidência da luz dentro da caverna, e só é possível entrar com um barco pequeno. Esse passeio ainda inclui uma parada na ilha de Solta onde ficam algumas ruínas e o barqueiro faz uma parada para mergulho. Além disso, outro passeio interessante é para a ilha medieval Korcula que muitos dizem ser a mais bonita da Dalmácia e a ilha de Brac onde fica a praia de Bol, um dos principais cartões postais da Croácia. 

_DSC1006 _DSC1079 _DSC1080 _DSC1088

Optamos em contratar um empresa indicada pelo concierge do hotel  Bare Hvar Sailing Tours para fazer o passeio de um dia pela cavernas Blue Cave e Green Cave. No entanto, não indicamos fechar com antecedência, pois é possível encontrar disponibilidade e bons preços na ilha. Outro passeio de barco que é oferecido em Hvar é para a ilha de Palmizana. No local, fica um dos melhores restaurantes das redondezas – Zori Restaurant. 

QUANDO A NOITE CAI:

A praia de pedras, que fica bem próxima a marina de Hvar – mais ou menos 15 minutos de caminhada pela costa é famosa pelo seu cenário paradisíaco e por reunir alguns dos bares/restaurantes mais descolados da cidade. Um deles é o Hula Hula beach bar, que tem um cardápio repleto de drinques, pratos deliciosos e também disponibiliza um DJ após as 18h (uma boa pedida é ir durante o pôr do sol a praia fica ainda mais especial). A música termina cedo por lá e depois a dica é seguir para o bar Carpe Diem onde todos chegam por volta das 23hs. A vida noturna em Hvar é agitada e, para quem tem animo, vale fazer a travessia até o Carpe Diem Beach, que fica em uma ilha a 10 minutos da costa.

Um destino imperdível que vale incluir no roteiro da Croácia!

PS. Bon Voyage!

Roteiro Croácia | Parte 2

_DSC1385    Dentre os lugares que visitei na Croácia, Dubrovnik foi o mais surpreendente. A cidade, também conhecida como pérola do Adriático, possui uma atmosfera única. Seu importante porto recebe milhares de turistas durante todo o ano e tem como principal atividade a navegação comercial. Totalmente conservada, a cidade tem seu ambiente abraçado por muralhas e banhadas pelo azul cristalino do mar Adriático. O centro histórico é um oásis entre as ruas de um centro urbano, também conhecida como cidade nova. Para elevar o status da cidade, desde o ano de 2000 o local foi declarado Patrimônio Mundial da UNESCO. Muitos motivos para conhecer, certo? Abaixo compartilho com vocês a minha experiência na cidade mais visitada da Croácia:

_DSC1287

    Construído em 1969, o “Dubrovacka Zicara” conecta a cidade velha ao Monte Srd e foi o primeiro teleférico no litoral do Mar Adriático. Para ter uma ideia da magnitude de Dubrovnik, recomendo visitar o local logo no primeiro dia. O teleférico oferece uma vista panorâmica de toda a cidade e de lá também é possível visualizar o arquipélago de Elafiti, formado pelas ilhas: Sipan, Lopud e Kolocep e a ilha de Lokrum. A  viagem no teleférico demora menos de cinco minutos e subir no fim do dia permite assistir um pôr do sol memorável. 

_DSC1264

    Devido a sua localização privilegiada, Dubrovnik é um ótimo ponto de partida para os chamados “day tours“. A cidade faz fronteira com a Bosnia, Montenegro e resulta em belas combinações de passeios. A agência Adriatic Explore possui tours diários para: Mostar e Kravice, na Bósnia, e Kotor, em Montenegro. Além disso, a ilha de Korkula é considerado a “pequena Dubrovnik” e tem um dos centros mais bonitos da Dalmácia. Os passeios podem ser realizados de forma independente e possui saídas diárias a partir do porto principal.

_DSC1279


No entanto, a atração principal de Dubrovnik é a cidade velha.
A entrada se dá pela Porta de Pile ou pela Porta de Ploce. Como em toda muralha que se preze, o acesso a porta é por meio de uma ponte de madeira que, antigamente, era içada toda noite. Seu interior possui uma vida agitada com restaurantes, lojas e bares abertos durante todo o dia. Passear pelas muralhar é regra por lá e a cada caminha uma nova ruela descoberta. 

_DSC1344 _DSC1257

Hospedagem

_DSC1314

A hospedagem na Croácia é mais barata do que os outros países do Adriático de um modo geral. Para os viajantes independentes, recomendo os hotéis e apartamentos ao redor da cidade velha. A vantagem é a localização e facilidade de oferta. No entanto, quem procura um hotel para descanso recomendo os hotéis mais afastados com maior estrutura. Fiquei hospedada no Dubrovnik Palace, localizado a quinze minutos do centro histórico.

E ai, viajantes, gostaram das dicas de Dubrovnik? No próximo post, comento sobre a ilha de Hvar.

PS. Bon Voyage!

 

 

Roteiro Croácia | Parte I

_DSC1298     Atualmente a Croácia está entre os destinos mais visitados da Europa. Situada no sudeste do continente,  o país recebe mais de 800 cruzeiros turísticos por ano. As principais cidades costeiras, Split e Dubrovnik, são o cartão de boas vindas do Adriático e de lá os turistas partem para algumas das 1.185 ilhas do país. Além do grande fluxo marítimo, a Croácia recebe muitos visitantes precedentes de países vizinhos, como: Eslovenia, Áustria e Hungria. De fato, a ex-nação da Iugoslávia tornou-se uma potência do turismo mundial e seus melhores momentos são durante o verão. Há mais de uma década a Croácia é referência entre as melhores praias da Europa e a beleza do litoral encanta seus visitantes. Muito comum em países europeus, as temporadas são extremamente bem definidas. A melhor época para visitar a Croácia é a partir de Maio a Setembro. No inverno, as praias badaladas dão espaço as estações de esqui e muitas atrações estão fechadas. Quem visita a região nessa época, encontra uma sonífera ilha.

Croácia de Carro

_DSC1230

    Comentei aqui no blog, que a minha viagem pelos países Balcãs foi realizada de carro. Após alguns dias na Eslovênia (todos os detalhes AQUI) segui viagem para a Croácia. A distância entre as capitais: Liubliana a Zagreb é de apenas duas horas e a auto pista é ampla e sinalizada. Diferente da Eslovênia, que é necessário ter colado no para brisas um selo-pedágio, conhecido como Vignette, para poder circular pelas estradas. Na Croácia o pedágio possui aquele sistema semelhante aos Estados Unidos: pagamento por quilômetro rodado. Algo que fascina na viagem de carro são as paisagens, pois todo trajeto é realizado pela costa do Adriático. Em alguns trechos, é necessário ingressar na Bósnia e a paisagem muda totalmente de figura. Além disso, muitos mirantes ficam estrategicamente posicionados em bolsões de descanso na estrada.

Durante o trajeto, existe algumas fronteiras, portanto: circular com o passaporte (original) é uma obrigação. Outro ponto em alerta é com relação ao seguro do carro. A locadora precisa ser avisada sobre o roteiro e é necessário checar se o seguro cobre a região.

Roteiro

_DSC0878

    No total fiquei 6 dias na Croácia. Um dia inteiro em Zagreb, outro em Split, dois dias em Hvar e os dois últimos dias foram em Dubrovnik. Considero um tempo bom, mas não o recomendado. A Croácia é um país relativamente pequeno e fácil de ser explorado. Alguns países como: Bósnia e Montenegro são ótimas opções de day tour, no entanto para uma viagem com mais de sete dias. As possibilidades de passeios pelas ilhas são tentadoras e um tempo bom para conhecer as principais atrações são 10 dias.

    Quem não tem muito tempo, pode recorrer a cia aérea local para deslocamento. A Croatian Airlines é a companhia com mais voos e serviços entre os principais destino dentro da Croácia. Os principais aeroportos ficam em Zagreb, Split e Dubrovnik e as passagens podem ser compradas pelos sites como skyscanner. Outro ponto importante é a moeda local, a Croácia firmou acordo com a União Europeia recentemente, porém a sua moeda ainda é Kuna. Em muitos lugares só aceitam a especie e recomendo trocar em casas de câmbio nos aeroportos.

E aí, viajantes, gostaram do primeiro post sobre a Croácia? No próximo, comento sobre Dubrovnik, a pérola do Adriático.

PS. Bon Voyage!

Dicas roteiro – Itália * Eslovenia * Croácia

_DSC1139     Quem me acompanha pelo instagram (@ps_bonvoyage) sabe que acabei de fazer uma viagem por algumas cidades da Itália, Eslovênia e Croácia. Quando comecei a planejar esse roteiro, pensei em fazer uma viagem de carro e ter a oportunidade de conhecer cidades menores e vilarejos durante o caminho. Acredito que esse modelo agrega muito no valor cultural e cria novas experiências. O total da minha jornada foram mais de 1.000 quilômetros rodados, durante 13 dias, e inúmeros vilarejos descobertos. Abaixo compartilho com vocês detalhes da minha viagem:

roteiro_europa    Vocês já devem ter percebido que sou apaixonada por calor e praia. Viajar durante o verão europeu pode não soar tão animador pelo fato de tudo estar lotado e mais movimentado. Realmente isso não é conversa fiada, no entanto uma viagem bem planejado pode trazer benefícios e uma definição com antecedência gera muitas benfeitorias ($) para o seu roteiro. Comecei a elaborar essa viagem com três meses de antecedência, uma boa margem de segurança para encontrar bons preços. Já havia recebido ótimas indicações sobre a Eslovênia e “combinar” o destino com a Itália e Croácia parecia bem interessante. Com isso, a minha primeira definição foi o aéreo. Após muitas pesquisas, comprei as passagens pelo site da Expedia com chegada em Bérgamo (Itália) e retorno por Dubrovnik (Croácia). A cia aérea utilizada foi a Lufthansa, sempre uma ótima experiência. O primeiro carro já foi alugado no aeroporto de Bergamo (sem antecedência). A locadora Avis ofereceu o melhor preço para um carro simples (modelo Smart) e no total foram EUR 200,00 para 4 dias com o carro.

    A primeira parada foi em Lago Di garda, vilarejo italiano entre as cidades: Milão e Veneza. O local preserva ares de interior e o lago possui o título de maior do país. Ao seu redor, inúmeros vilarejos formam uma paisagem convidativa para dias de muito descanso. A minha base foi a cidade de Gargnano, situada ao lado leste do lago. Optei em ficar hospedada no topo das montanhas e o Lefay Resort foi o hotel escolhido. Já havia visto muitas fotos do local e por incrível que pareça, superou todas as minhas expectativas (em breve, faço um post sobre o hotel). Durante três dias percorri algumas cidades como: Limone Sul Garda, Riva del Garda, Malcesine e Sirmione.

_DSC0133 _DSC0163 _DSC0174 _DSC0214

    Outra cidade visitada na Itália foi Veneza. O local mundialmente conhecido por seus canais e romantismo foi um ponto estratégico antes de seguir viagem para a Eslovênia. Em seu centro, não é permitido utilizar veículos. Com isso, devolvi o carro no aeroporto e retirei outro somente quando peguei estrada. Como os países fazem parte da União Européia, transitar entre as cidades é livre. Portanto, não há necessidade de visto e passar pelo “controle de passaporte “. A chegada a Eslovênia foi tranquila e o país, com título de terceiro menor da Europa, me surpreendeu com tamanha beleza.

_DSC0355 _DSC0412

_DSC0475    Por fim, a Croácia foi a nossa última parada. Por questão de tempo, utilizamos avião para ir de Zagreb a Split (cidade portuária). O trajeto de 400 quilômetros também pode ser realizado de carro e o grande beneficio é apreciar a beleza da estrada. O voo domestico foi comprado direto pelo site da Skyscanner e realizado pela cia aérea Croatia Airilnes. O voo é muito curto, duração de 40 minutos e ajuda dar uma pitada de emoção na viagem por se tratar de um monomotor. A cidade de Split é o portao de boas vindas do mar Adriático e de lá partem muitos barcos para as famosas ilhas Hvar e Brac. O trajeto é realizado pela empresa Jadrolinija e custa 55,00 Kunas (moeda local) por pessoa. Infelizmente não é permitido comprar pelo site.

_DSC0793 _DSC0795

_DSC0849 _DSC1290

Abaixo compartilho mais detalhes dos hotéis que fiquei hospedada nessa viagem. Nos próximos posts, comento sobre cada lugar visitado e as minhas dicas do que fazer em cada região.

Ficha técnica:

Lefay Resort – Lago di Garda

NH Palazzo Barocci – Veneza

Grand Hotel Union – Liubliana

Esplanade Hotel – Zagreb

Adriana – Hvar

Dubrovnik Palace – Dubrovnik

PS. Bon Voyage!