Tag: França

Sob o sol da Provence – Cassis

_DSC1800   Quando comecei a pesquisar sobre os principais pontos da Provence algo que me chamou atenção foi a cidade de Cassis, entre Marselha e Toulon. O vilarejo, com características provincianas, possuía um colorido diferente em seu ambiente, além de uma ótima posição geográfica: à beira do Mediterrâneo.

    A antiga vila de pescadores é uma espécie de St Tropez dos anos 50, sem aquele glamour absoluto e uma concentração de iates e carros extraordinários dos dias de hoje. É um lugar aconchegante, com um porto bem servido e restaurantes à beira mar. O local também abriga uma das principais atrações do sul da França: Calanques, estreitas enseadas entre rochas brancas e águas com um lindo tom de azul. Esse foi o gran finale do meu roteiro na Provence e abaixo compartilho com vocês todas as dicas:

_DSC1810

    Apenas vinte e quatro quilômetros separam Marselha de Cassis. A terceira cidade mais populosa da França é porta de entrada principal do sul do país e a maneira mais simples de chegar ao vilarejo de Cassis. Com diversas saídas diárias, o trem SNCF (French Railways) realiza o trajeto em apenas 20 minutos e o restante do percurso é completado por um ônibus local. No entanto, quem opta em fazer um “day trip” a partir de Aix en Provence (a cidade foi a minha base na região e tem mais detalhes do roteiro aqui e aqui), é recomendado alugar um carro para desfrutar os 49km até Cassis. O trajeto, com apenas dois pedágios (não esqueçam de levar moedas, pois muitas vezes a máquina não aceitam dinheiro) é realizado pela rodovia A8, muito ampla e bem sinalizada.

_DSC1815

    Ao chegar em Cassis tudo fica mais vivo e vibrante. Aquele primeiro contato com o mediterrâneo, após alguns dias explorando o interior do país, é memorável. Visitei a cidade durante um domingo e o local estava em seu ápice do agito. As ruas borbulhavam com milhares de visitantes em busca de objetos nas barracas de rua e feiras provençais. A primeira coisa que chama atenção no vilarejo é um lindo castelo de 1381 instalado no alto de uma montanha – Chateau de la Maison dês Baux, que domina a entrada do porto e emoldura a cidade. O porto, sempre lotado de barcos de pequeno porte, possui um formato retangular e é cercado por um calçadão onde estão instalados dezenas de cafés/restaurantes com seus toldos coloridos e mesinhas na calçada. É neste local que é vendido os tickets para o passeio de barco às Calanques com duração de 1hs, 2hs ou 3hs, dependendo da quantidade de Calanques a ser visitada. O tour, a partir de 16 EUR, passa pelas falésias mais bonitas, mas confesso que deixa com água na boca: não é possível desembarcar nem sequer pular na água para um mergulho rápido.

_DSC1813 _DSC1827

    Uma alternativa para aproveitar o passeio são as trilhas que ladeiam as Calanques. O início da caminhada é a partir da falésia Port Pin, um pouco afastada do centro da cidade e é possível parar o carro em um estacionamento bem próximo (seguir as placas “Presqu’île”). No parque nacional, as trilhas são diferenciadas por cores, revelando o nível de dificuldade de cada uma. A trilha azul possui as vistas mais significativas e a caminhada de uma hora leva até a mais famosa das calanques: En Veau. 

    Um outro passeio altamente recomendado é o de caiaque pelas calanques. O tour com guia tem duração de três horas e passa pelas praias mais bonitas. A empresa Destination Calanques oferece o serviço ao custo de 35 EUR por pessoa. 

_DSC1824 _DSC1854 _DSC1848

  • Restaurantes

    Comer pode ser um dos maiores prazeres de uma viagem, tanto pela beleza do restaurante quanto pelos novos sabores descobertos à mesa. Essa frase ganha ainda mais sentido quando estamos falando da culinária francesa, com seus aromas e sabores típicos. Em Cassis, muitos restaurantes oferecem frutos do mar em seu cardápio. Portanto, aos que veneram a comida, uma dica é o Le Naio, situado nas costas do porto e com seu deck virado para a praia. Seguindo a mesma linha – vista e ótima comida, o La Villa Madie oferece um cardápio amplo com influencias italianas. 

_DSC1799

    Situado nos arredores de Marselha, o Le Petit Nice é um restaurante tradicional e indicado para quem aprecia uma gastronomia mais requintadas. O chef Gérald Passédats, terceira geração de sua família a tomar conta do local, inova em suas criações e apresenta verdadeiras obras primas em seus pratos. A dedicação de Passédat rendeu ao restaurante sua terceira estrela no Guia Michelin em 2008.

    E ai, viajantes, gostaram do post? A saga pelo sul da Franca nao terminou! No próximo post comento sobre a minha viagem pela Cote d’Azur.

PS. Bon Voyage!

Sob o sol da Provence – Parte II

_DSC1635     Não é segredo para quem me acompanha no Instagram (segue lá @ps_bonvoyage) que fiquei apaixonada pela região da Provence. O local encanta pela identidade única, suas cidades históricas, diferentes cenários e, principalmente, pelo contraste com a primeira parada obrigatória na França – Paris. Digamos que uma viagem a Provence é o segundo volume da saga na França, com um belo prefácio e capítulos mais elaborados. Uma coisa é fato, não existe um roteiro programado para a região, o visitante molda conforme suas necessidades e interesses. Fiquei quatro dias na Provence e a minha base foi em Aix-En-Provence (todos os detalhes AQUI). Abaixo compartilho com vocês detalhes do meu roteiro!

Dia 1 – Luberon

    O Luberon é uma cadeia montanhosa na região da Provence. A poucos quilômetros de Aix-En-Provence (tem um post completo da cidade AQUI), o local concentra dezessete das cento e quarenta e uma povoações classificadas, a nível nacional, como “as mais belas aldeias da França”. O mais interessante é que a pequena área do Luberon elege quatro, tão próximas umas das outras que é facilmente explorada em um dia: Roussillon, Gordes, Lourmarin e Ménerbes.  

Captura de Tela 2014-11-18 às 08.11.31    O quarteto estrelado foi a minha escolha para o primeiro dia na Provence. O que mais encanta neste roteiro são as estradas vicinais que conectam as cidades. O percurso é margeado por campos de oliveiras, vinhedos, casas na cor ocre e lagos. Apenas 27km de Aix fica a primeira parada do dia: Loumarin. O pequeno vilarejo, com tamanho de um bairro, possui uma lista do que fazer bem compacta: caminhar pelas ruelas, descobrir fontes lindas e quase escondidas, prestar atenção nas fachadas de pedra, nas janelas coloridas e vasculhar as boulangeries. Além disso, os cafés, as lojas de roupa e decoração são uma ótima parada. Logo em frente, a segunda parada do roteiro: Roussillon. O destaque, além da própria cidade, é o passeio pelas antigas minas de ocre (2,50€). Foi o ocre que fez a fama do vilarejo e garante a sua singularidade até hoje. Outra atração é a praça do Hôtel de Ville, prédio facilmente identificado pelas bandeiras na fachada.

_DSC1655    A cereja do bolo desse roteiro é a próxima cidade: Gordes. O vilarejo no alto da colina parece que foi desenhado a mão e encanta pela simplicidade. A mistura da arquitetura medieval e renascentista do castelo que existe desde 1031 e a igreja de origem romana do século XII são as principais atrações. No entanto, subir e descer os tortuosos caminhos de pedra que nos apresentam os segredos de Gordes pode ser mais interessante. Para completar a experiência na cidade, recomendo um pausa para o almoço no “Les Bories” – restaurante impecável do hotel com o mesmo nome. Por fim, a ultima parada do roteiro é Ménerbes, cidade que serviu de inspiração para o livro – Um ano na Provence, do escritor inglês Peter Mayle.

_DSC1663    Vale lembrar: Durante os meses de Julho e Agosto, o Luberon triplica seu numero de visitantes por conta do circuito das lavandas. O mais conhecido se encontra nas proximidades da cidade de Sault,  situada aos pés do Monte Ventoux.

Dia 2 -Gorges du Verdon e Moustiers Saint Marie

_DSC1725    O segundo dia do roteiro começou logo cedo e confesso que foi um dos meus preferidos. A primeira parada é Moustiers Saint Marie, um vilarejo com 700 habitantes e uma natureza especial. Seu ambiente é típico de cidade do interior da França, com lojas de artesanato, pequenos restaurantes e uma igreja centenária. Além do Gorges du Verdon, outra atração na cidade é a trilha até a capela a capela Notre Dame de Beauvoir, no alto da colina. O esforço de subir os 262 degraus é recompensado pela vista mais bonita da cidade.

     Tudo ali é meio magico e para completar o cenário tem o La Bastide de Moustiers, considerado o melhor hotel e restaurante da região. O renomado chef francês Alain Ducasse, abriu o seu “albergue” em pleno “Parc Naturel do Verdon” e possui poucos quartos para aproveitar de um momento inesquecível na Provence. 

_DSC1767   Moustiers é a porta de entrada do canyon mais fascinante da Europa. Apenas 20km separam o pequeno vilarejo do Gorges du Verdon. Antes de explorar as atividades do lago Saint-Croix, recomendo um passeio até o pico da montanha. A estrada beira o penhasco e oferece uma vista deslumbrante de toda a região. Lembrando que esse trajeto pode ser encarado por uma trilha, fascinante para os aventureiros. 

    No próximo post, compartilho dicas de Avignon, Isle sur la Sorgue e St.-Rémy. As cidades merecem uma atenção especial e no trajeto tem Baux, parada obrigatória.

PS. Bon Voyage!

Sob o sol da Provence – Parte I

_DSC1579   Um dos pontos altos da minha viagem ao sul da França foi a região da Provence. Conhecida mundialmente pelos campos de lavandas e plantações de girassóis, o local possui paisagens de sonho. Seu ambiente é composto por cidades medievais, regiões vinícolas (como a famosa Chateauneuf-du-Pap), feiras provençais e lagos de cor esmeralda; tudo em extrema harmonia, revelando um dos vilarejos mais bonitos da França. No entanto, por ser uma região muito extensa, o planejamento antecipado é fator determinante para um bom aproveitamento. O roteiro deve ser dividido em no mínimo quatro dias, mas levando em consideração “quanto mais tempo for dedicado a Provence, melhor”. São inúmeras cidades, no total mais cem, e abaixo compartilho com vocês detalhes da minha experiência: cores, sabores e o sol da Provence!

Provence    A Provence é uma denominação geográfica para um antigo condado (transformado em 1481 em província real francesa) e que corresponde hoje, a uma grande parte da região administrativa francesa de Provença-Alpes-Côte d’Azur. A Provence situa-se no sudeste da França e estende-se desde a margem esquerda do Ródano até a margem direita do Var, onde limita com Nice (banhada pelo Mediterrâneo). Sua história começa durante a Idade média, nos tempos feudais, e passa por importantes pontos da história da arte inspirando artistas e nobres em obras extraordinárias.

     A região possui algumas cidades bases, ou seja, lugares com fácil acesso de trem, variedades de hotéis e uma ótima estrutura para receber os turistas. Dentre as opções, indico três: Avignon (cidade ao norte da Provence), Marselha ou Aix En provence. Devido a proximidade do Luberón, região que tinha mais interesse em visitar, optei em ficar em Aix. A cidade é consideravelmente grande, mas como em muitos lugares na Provence, mantém ares de vilarejo medieval. O local também é conhecido como “cidade das águas“, por conta das termas romanas instaladas lá pelo século 2 a.C e, atualmente é representada pelo grande número de fontes. Além disso, abriga uma das universidades mais antigas da França: Aix-Marseille Université (instituição com mais de 600 anos de existência) e, consequentemente, é uma cidade repleta de jovens.

_DSC1788    Seu centro antigo é composto por diversas vielas e concentra as principais atrações turísticas da cidade. Uma boa forma de começar o dia é pela avenida Cours Mirabeau, considerada por muitos uma das mais bonitas da França. A principal artéria de Aix tem como marco a Rotonde Jeanne d’Arc, uma rotatória com uma fonte ao meio (é lá que fica o ponto de informações ao turista). O local também abriga, as quintas-feiras, a famosa feira provençal com roupas novas e usadas, objetos e antiquidade. Na alameda encontram-se milhares de restaurantes e cafés, dentre eles o famoso Les Deux Garçons, aberto em 1792 e frequentado por Edith Piaf, Pablo Picasso e Jean-Paul Sartre.

_DSC1792     Baseado em todo o histórico da região, afirmo: “a região da Provence respira arte” e, no caso de Aix, tem algo ainda mais especial, o pintor Cézanne. Nascido no vilarejo, o nobre artista viveu no local por mais de trinta anos. Uma dica é seguir os seus passos pela cidade, pois os caminhos são indicados no chão por uma plaquinha dourada gravada com inicial do pintor. Entre os lugares principais, está o seu atelier, que fica no nº 9 da Avenue Paul Cézanne e é mantido como na época em que ele morreu. Outros pontos interessantes, são: Museu Granet, onde estão dez quadros de Cézanne, e o Montagne Sainte Victoire, um lugar encantador a poucos minutos de carro de Aix.

_DSC1598    Algo que chama atenção em Aix é a quantidade de lojas, praticamente um shopping center à céu aberto. No bairro histórico – Vieille Ville, tem desde H&M à Hermès, Longchamps, Lancel pelo caminho, Marionnaud e Trumpheme. Perto do Office du Tourisme tem a La Cure Gourmande (loja linda de biscoitos deliciosos), Zara, Sephora, Massimo Dutti, Guess, Fnac, Swarovski, Quiksilver e muito mais! Subindo o Cours Mirabeau tem o supermercado Monoprix, e na rue Fabrot, segunda à esquerda depois do Monoprix, tem MAC, outra Sephora, Swatch, e perto do Palácio de Justiça tem Zadig e Voltaire, Comptoir de Cotonniers (uma das minhas lojas favoritas), Repetto, Gap e Mango (na frente da prefeitura). Sem contar as famosas parapharmacies, com uma excelente variedade de produtos. Na Cours Mirabeau está uma das melhores com e lá você encontra as marcas NUXE, Roc, Roche Posay, Avène, Lierac, Biotherme, Bioderma, Weleda, todos  com preços excelentes.

  • Datas&Horários Feiras

    Algo que dá ritmo as cidades da Provence são as suas feiras. No local, é possível encontrar diversos produtos regionais: lavanda, mel, temperos variados e flores. Confira os horários das feiras:

_DSC1615

* Praça des Prêcheurs

É nesta praça que ocorre o mercado de frutas e legumes. Semanalmente as terças, quintas e sábados (no período da manhã). Uma dica é tomar café da manha na padaria Le Pain Quotidien (fica em frente a praça).

* Praça Richelme

Diariamente uma feira com produtos locais e regionais vendendo mel, vinhos, pâtisseries, embutidos, entre outros. Somente no período da manhã.

* Praça da Mairie ou do Hôtel de Ville

É nesta praça que ocorre o mercado de flores. Semanalmente as terças, quintas e sábados (no período da manhã). Fica ao lado da Praça des Prêcheurs, vale combinar as duas no mesmo dia.

* Praça Verdun

O mercado de antiguidades e artesanato.Semanalmente as terças, quintas e sábados (no período da manhã).

  • Hospedagem

    Com o objetivo de viver uma nova experiência, optei em alugar um apartamento próximo a Rotonde, pelo site Airbnb, nos meus dias em Aix-En-Provence. Já havia me hospedado em um apartamento em Paris e a experiência foi bem satisfatória. Desta vez, o primeiro contato foi extremamente claro e a proprietária do apartamento muito gentil. Mas assim que chegamos houve uma grande surpresa: a localização não era tão boa (rua muito escura), havia muitos lances de escada e o apartamento não era tão confortável. Dada a tal circunstância, optei em reservar um hotel de última hora e atendeu bem a necessidade. O escolhido foi o Hotel Rotonde, ao lado da avenida principal.

  • Restaurantes

    A cidade de Aix possui uma ótima variedade de restaurantes&bares. Seu centro antigo é repleto de pubs (o termômetro é medido com relação a quantidade de pessoas na rua), cafés, bares e restaurantes de alta qualidade. Independente da época do ano, recomendo fazer reserva e, lembre-se: a maioria dos restaurantes fecha as 22hs. Abaixo alguns lugares que conheci e recomendo:

* La Villa Gallici Restaurant

Um lugar incrível e muito romântico. Esta localizado no renomado hotel, do grupo Relais & Chateaux, Villa Gallici. Você irá descobrir os deliciosos sabores da Provence pelas mãos do chef Christophe Gavo, que encanta com suas criações. A mistura de sabores é intensa e equilibrada. O restaurante fecha na ultima semana de Setembro e reabre apenas no mes de Abril, devido a baixa temporada. (veja a avaliação aqui)

*Pierre Reboul

Renomado chef frances, especializado em um culinária francesa com toques contemporâneo. Recomendo o menu degustação (valor EUR 39,00) por pessoa. (veja a avaliação aqui)

* Lavault

Ambiente pequeno e pratos memoráveis. Localizado a pouco metros do coração de Aix, o local faz uma releitura suprema de pratos típicos francês.  (veja a avaliação aqui)

E aí, viajantes, gostaram das dicas de Aix-en-Proevence? No proximo post, comento sobre outras cidades que conheci na região.

PS. Bon Voyage!

Roteiro Viagem – França, Suiça e Itália

_DSC2067     Quem me acompanha pelo instagram (segue lá @ps_bonvoyage) sabe que acabei de fazer uma viagem por alguns países da Europa: Itália, Suíça e França. Seguindo o modelo da minha última passagem pelo continente – aqui, o roteiro circular foi parcialmente explorado de carro, deixando o avião e trem apenas para conexão entre os países. Acredito que esse tipo de programação {sem muita regra} agrega muito no valor cultural da viagem e cria a oportunidade de conhecer diversos vilarejos. No total, foram mais de 1.000 quilômetros rodados, durante 14 dias, e inúmeras cidades descobertas. Abaixo compartilho com vocês todos os detalhes:

_DSC1969

    O primeiro passo deste roteiro foi a definição da cidade responsável pela entrada&saída. Neste caso, como compramos as passagens por milhas (programada fidelidade da TAM) a opção mais rentável era chegar por Milão. O aeroporto de Malpensa possui o maior tráfego aéreo da Itália e faz conexões com diversos países, algo que gera ótimas economias ($) no primeira etapa do roteiro. Outro ponto é a proximidade com o Sul da França, aproximadamente 4horas de carro ou 5horas de trem. Pensando no conforto, nossa opção neste trecho foi o trem. A estação Milano Centrale (principal da cidade) conecta a Itália à Provence, via o trem de alta velocidade Trenitalia. Os tickets foram comprados com antecedência (recomendo no mínimo 60 dias) através do raileurope e o trajeto foi: Milão>Ventimiglia>Nice Ville>Aix en Provence. Uma boa nova para quem pretende fazer esse roteiro é o novo trecho Marseille e Milano que será inaugurado em Dezembro/14. Os trens serão de média velocidade, tornando a viagem entre a Itália e Cote d’Azur bem mais fácil, apesar de só haver um horário planejado, à tarde. Os trens partirão de Marseille as 15h30, passando em Nice as 18h09 e chegando em Milano as 22h50. Em sentido oposto, partirão de Milano, chegando em Nice as 19h55 e em Marseille as 22h29.

_DSC1759

   O primeiro destino explorado no sul da França foi na Provence, França. A região montanhosa, conhecida mundialmente pela produção de lavandas, fica em um ponto estratégico entre a Cote d’Azur e Bordoux. A minha base durante os primeiros quatro dias foi em Aix-en-Provence, uma simpática cidadezinha onde o pintor francês Cezanne nasceu. O carro é imprescindível nesta etapa do roteiro, pois todos os vilarejos são explorados pela rodovia e estradas vicinais. Não existe uma rota pronta na região, mas recomendo separar um dia para Aix, outro para Luberon {Lourmarin, Bonnieux, Menérbes e Gorges}, outro Avignon, Isle sur la Sorgue e St.-Rémy e o quarto dia para Gorges du Verdon e Moustiers Saint Marie. Seguindo a programação, a mudança de base foi para os próximos quatro dias na Cote d’Azur. Devido ao trânsito e qualidade das estradas, a base foi dividida entre duas cidades: St. Tropez e Nice.

_DSC1673

    Nossa próxima parada foi na Suíça. Devido a distância, o trecho Nice – Zurique foi realizado de avião operado pela cia aérea Air Swiss. O voo tem duração de apenas uma hora e foi comprado pelo site skyscanner. Minha base na região foi Lucerne, uma bela cidade a aproximadamente 40 minutos da capital Berna. Alugamos um carro durante os quatro dias no país, no entanto não recomendo. O local é muito bem servido de transportes públicos e ainda há o swiss half fare card. Com o cartão, valor a partir de EUR120,00/válido por um mês, as tarifas de trem e ônibus saem pela metade do preço. Além do combustível e estacionamento, algo que pode ser ainda mais caro na Suiça. Porém, após quatro dias no país, seguimos sentido Lugano>Lago di Como, na Italia, ultima etapa do roteiro. Os lagos italianos sempre fazem parte do meu roteiro no país, quem viu a viagem que fiz pelo Lago di Garda (AQUI)? Seguindo o mesmo principio do lago vizinho: vilarejos charmosos ao redor do lago com alpes ao fundo, optamos em montar a nossa base em Bellagio, a cidade tem q visitar na região. Por fim, após dois dias seguimos para Milão para pegar o voo de volta. 

_DSC2213

E ai, viajantes, gostaram do roteiro? Nos próximos posts comento sobre as cidades que visitei e compartilho dicas do que fazer no local.

PS. Bon Voyage!